A lança do soldado desferida no lado de Jesus atingiu o seu Sagrado Coração?


O Coração de Jesus querido
 
O Evangelho nos fala da abertura do lado; mas não nos diz se a lança feriu diretamente o Divino Coração de Jesus. Nós podemos afirmar que sim, com argumentos de razão e de autoridade.

 
O soldado fere o lado de Jesus para certificar-se de que o Salvador estava realmente morto, e, caso não estivesse, acabar com a vítima. E para conseguir seu fim, era preciso ferir o Coração.

 
A lançada é dada com grande violência, não se podendo supor que a lança parasse na superfície sem penetrar o peito e encontrar o Coração. A ferida é larga e profunda. Esta asserção é confirmada por Nosso Senhor ressuscitado, quando diz ao Apóstolo incrédulo: “Põe tua mão na chaga do meu lado”; ao passo que , quando Ele o convida a certificar-se das outras chagas, fala desta maneira: “Põe aqui o teu dedo”.

 
Jesus Cristo quis derramar todo se preciosíssimo sangue pela nossa redenção; não quis poupar uma só gota. Por isso quis que seu Coração fosse aberto pela lança, a fim de que saíssem da chaga algumas gotas que estavam no Coração quando cessou de pulsar pela morte.

 
A Igreja na liturgia da festa do Sagrado Coração de Jesus, exprimindo o pensamento da tradição, nos oferece a contemplação deste Coração aberto transpassado pela lança. “A caridade te quer aberto com a chaga visível para que pela chaga visível pudéssemos honrar a ferida do amor invisível” (Hymno ad Laudes).


Fonte: P. Fernando Piazza, na Obra “Eu reinarei – A devoção ao Sagrado Coração de Jesus no seu desenvolvimento histórico”, 1932.

O LEGADO DE FÉ E MORAL DOS SANTOS AOS FIÉIS DE HOJE (Artigo)

Que falta ao católico de hoje? Responder-se-ia com grande sensatez afirmando que, substancialmente, falta-lhe conhecer e viver com ma...

Postagens mais acessadas

Assine o Arena da Teologia

Assine o Arena da Teologia
Receba conteúdo exclusivo por e-mail. Blog essencialmente de teologia católica abordando questões necessárias e urgentes aos tempos atuais.

Adquira o livro do autor

O MODERNO E O ETERNO

Nesta obra é apresentado um panorama montado a partir da visão dos católicos ditos tradicionalistas, aqueles que fizeram e fazem resistência às mudanças que desfiguraram a Igreja Católica a partir do Concílio Vaticano II. Episódios pouco conhecidos dos católicos são trazidos à tona, bem como se tenta desvendar os reais motivos para a realização de uma reforma na celebração da Santa Missa, algo tido como acontecimento improvável para o mundo católico após a promulgação da Bula Quo Primum Tempore, um documento do Papa São Pio V que, em 1570, tornava definitiva a forma com a qual se deveria celebrar a Santa Missa a partir de então.

Fale direto com o editor:

  • claudiomarfilho@gmail.com

Total de visualizações

Editor do Blog:

Editor do Blog:
Claudiomar Ferreira de Medeiros Filho

Seguir por e-mail

PADROEIRO DESTE BLOG

PADROEIRO DESTE BLOG
São Tomás de Aquino